Wilson Montevechi Psicólogo em Campinas-SP

Psicólogo Wilson Montevechi em Campinas SP - Logo

A ansiedade não me deixa dormir: O que fazer? Confira!

Não importa o quanto você trabalhe ou se canse ao longo do dia, quando chega a hora de dormir é sempre uma batalha contra os seus próprios pensamentos.

E, quando isso acaba virando uma rotina, a única frase parece resumir toda essa agonia é:

“A ansiedade não me deixa dormir!”

Se você já não aguenta mais perder noites de sono por causa da ansiedade, então me acompanhe até o final deste artigo, pois separei dicas importantes aqui que podem te ajudar!

Hoje, vamos falar um pouco sobre a ansiedade noturna, suas principais causas e o que fazer para finalmente conseguir dormir e ter um sono de qualidade.

Vamos começar!

Você sabe o que é ansiedade noturna?

De modo geral, ansiedade noturna é uma condição clínica que dificulta o sono durante a noite.

Ou seja, antes de dormir, o indivíduo tem pensamentos acelerados e preocupações em excesso.

Mesmo a pessoa se ocupando com diversas atividades ao longo do dia, é no período da noite, especialmente nos momentos antes de se deitar, que sua mente começa a trabalhar intensamente.

Em alguns casos, o indivíduo pode até mesmo enfrentar uma crise de ansiedade.

O que causa a crise de ansiedade?

É difícil dizer o que, de fato, desencadeia uma crise de ansiedade.

Muitas razões podem explicar o fenômeno, tais como:

  • Traumas;
  • Enfrentamento de doenças;
  • Preocupações com familiares;
  • Perdas de entes queridos;
  • Ou, outros.

A crise geralmente ocorre quando o indivíduo sente que está perdendo o controle sobre si mesmo.

Sintomas como, falta de ar e sensação de perigo iminente são bem comuns.

O indivíduo acha que está tendo um infarto, o que o leva, muitas vezes, a procurar a emergência de um hospital.

Por que a ansiedade piora a noite?

Os motivos exatos que levam à piora do quadro de ansiedade no período da noite ainda são incertos.

Uma possível explicação para isso é que o silêncio da noite pode causar a ruminação de pensamentos sobre certas áreas da vida.

Ou seja, quando tudo fica em silêncio, com menos distrações, a pessoa começa a se preocupar excessivamente com sua carreira, vida amorosa, familiar, entre outros setores.

Além disso, indivíduos que possuem dificuldade para dormir podem ficar mais ansiosos durante a noite.

No entanto, o mais provável é que ocorra a influência de vários fatores na condição clínica, como por exemplo:

  • Ingestão de cafeína ao longo do dia ou próximo ao horário de dormir, desencadeando nervosismo e ansiedade;
  • Existência de traumas ou transtornos de estresse;
  • Condições médicas, como menopausa e dores pelo corpo;
  • Medos ou preocupações com acontecimentos do dia seguinte.

Quanto tempo dura uma crise de ansiedade?

O pico de uma crise de ansiedade pode durar em torno de 40 minutos ou mais.

Em alguns pacientes, o transtorno de pânico pode surgir com uma forte sensação de desconforto.

Nestes momentos, é importante respirar de forma profunda e lenta para retomar o controle sobre a respiração.

Tentar pensar em coisas positivas e descansar após os picos da crise também são excelentes dicas para vencer a intensidade do quadro ansioso.

Como controlar a ansiedade na hora de dormir?

Quando a ansiedade não te deixa dormir é fundamental procurar um profissional, de preferência um psicólogo, para entender as causas do problema.

O psicólogo, através de determinada técnica e abordagem, irá analisar os motivos que tem levado o indivíduo ao quadro ansioso e, assim, tratar sua condição clínica.

Por isso, a avaliação psicológica é indispensável!

Entretanto, algumas dicas podem te ajudar a aliviar a ansiedade na hora de dormir. Compartilhei, aqui abaixo, algumas delas.

1.   Pratique a higiene do sono

Ansiedade e sono estão diretamente ligados.

A ansiedade pode desencadear a dificuldade para dormir e a privação de sono tende a aumentar o estado ansioso.

Por essa razão, é de suma importância praticar a higiene do sono, que consiste basicamente em ter uma preparação para dormir.

Antes de se deitar, evite os seguintes comportamentos:

  • Praticar atividades físicas intensas ou ingerir refeições pesadas;
  • Ingerir álcool ou cafeína;
  • Ficar em frente a telas;

É importante também se atentar a algumas práticas de higiene do sono ao longo do dia, como por exemplo:

  • Limitar o tempo da soneca em 20 minutos, no máximo;
  • Tomar sol no período da manhã;
  • Estabelecer uma rotina constante de sono;
  • Manter o ambiente de sono fresco e escuro.

2.   Pratique exercícios físicos

Se a ansiedade não te deixa dormir, um dos motivos pode estar na falta de exercícios físicos.

Quando o corpo não se movimenta, a mente fica em plena atividade, ruminando pensamentos ansiosos e estressantes.

Portanto, praticar exercícios é essencial para descarregar todo o estresse, além de promover a saúde mental.

Você não precisa frequentar a academia diariamente ou ser um grande atleta.

Bastam apenas alguns minutos de alongamento no seu dia para sentir os efeitos positivos da movimentação do seu corpo.

Se você trabalha no regime home-office, praticar exercícios físicos é ainda mais importante.

3.    Tente limitar o tempo de tela

O uso de telas durante a noite reduz a produção de melatonina, o que diminui a qualidade e quantidade do sono.

Sem sono, a mente se torna mais propensa a pensamentos ansiosos, principalmente no horário da noite, onde tudo está quieto, silencioso e sem distrações.

Diante disso, é recomendável ficar longe de celulares, computadores e TV’s pelo menos 1 hora antes de dormir para ter um sono de qualidade.

4.    Repasse suas preocupações para o papel

Quando a ansiedade tentar impedir o seu sono, experimente colocar no papel tudo o que está passando em sua mente.

Dessa forma, o cérebro criará um plano estratégico para o que estará escrito.

Se, por exemplo, você estiver ansioso com alguma atividade no trabalho, seu cérebro vai captar ações de enfrentamento para resolver a situação.

Esse hábito também te ajudará a se tornar mais responsável com suas emoções e sentimentos, controlando os pensamentos que ficarem vagando em sua mente.

Mas, como saber se tenho ansiedade?

É importante entender que a ansiedade é uma resposta natural do ser humano.

Antes de algum evento significativo para o indivíduo, é absolutamente normal surgir certos pensamentos ansiosos.

Será que vai dar certo? Terei um bom desempenho? E, se algo der errado?

Esses e outros questionamentos são até benéficos, pois impulsionam a pessoa a melhorar seu comportamento.

Entretanto, quando a ansiedade rouba o bem-estar, é preciso acionar um sinal de alerta.

A ansiedade, em sua forma negativa, normalmente apresenta sintomas como:

  • Insônia;
  • Irritabilidade;
  • Tensão muscular;
  • Palpitações cardíacas;
  • Fala acelerada;
  • Respiração ofegante;
  • Entre outros.

Porém, o principal deles e o mais característico, é a preocupação excessiva, que tende a piorar todos os outros sintomas já mencionados.

Inclusive, publiquei outro artigo onde eu explico com maior profundidade o que e o que a preocupação excessiva pode causar.

Aproveite para passar lá e conhecer um pouco mais sobre esse assunto!

Mas, lembre-se!

A avaliação psicológica é indispensável para avaliar o quadro de ansiedade.

Então, não deixe de procurar um psicólogo!

Obrigado por chegar até aqui.

Compartilhe com um clique!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Picture of Wilson Montevechi

Wilson Montevechi

Sou Psicólogo, Professor de Filosofia e Mestre em Educação! Utilizo a abordagem Fenomenológica –Existencial afim de oferece um diálogo profundo entre a Psicologia e a Filosofia, proporcionando uma maior conhecimento do Ser Humano em seus aspectos racionais e emocionais.

Picture of Wilson Montevechi

Wilson Montevechi

Sou Psicólogo, Professor de Filosofia e Mestre em Educação! Utilizo a abordagem Fenomenológica –Existencial afim de oferece um diálogo profundo entre a Psicologia e a Filosofia, proporcionando um maior conhecimento do Ser Humano em seus aspectos racionais e emocionais.

Aproveite e leia também!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se precisar, estou aqui!